Jornada através da dor e tristeza

Acordo. A janela aberta. O vento matinal refrescante entrando leve, embalando a tuia holandesa que seca pela minha imprudência, trazendo o seu aroma cítrico ao nariz. Deitado na cama, vendo tudo acontecer, na magnitude simples do presente. Escuto uma pequena horda de pássaros numa balbúrdia aguda e brincalhona. Em Mirandópolis, meu bairro, as primeiras horas … Continuar lendo Jornada através da dor e tristeza